h2club.br
Compartilhe

Triunfo: a história de sucesso do negócio para além da cachaça do interior da Paraíba

Maria Júlia Baracho, proprietária do Engenho Triunfo, conta como superou as adversidades e hoje produz cerca de 20 mil garrafas da bebida por mês
PorRedação
h2club.br
Compartilhe

A pequena cidade de Areia, no interior da Paraíba, com pouco mais de 22 mil habitantes, é conhecida como a capital paraibana da cachaça. É de lá que sai a Triunfo, uma cachaça premiada e que se destaca não somente pelo sabor suave da bebida destilada, mas pelo crescimento que possibilita à comunidade local. A mudança de vida de Antônio Augusto e Maria Júlia Baracho que possibilitou esse sucesso é tema do quarto episódio da série Conta a Virada, no canal do Sebrae no Youtube.

O início do negócio do casal é como o de milhares de empreendedores brasileiros: com pouco recurso. Com R$ 15 mil que o marido recebeu de herança, o casal comprou uma moenda e o primeiro alambique. No entanto, o maior desafio era não saber fazer cachaça. “Por muitos anos, não conseguimos ter uma boa cachaça. Através de um evento promovido pelo Sebrae na cidade, o Antônio fez o curso e aprendeu”, lembra Maria Júlia. “Para que a cachaça seja boa, ela tem que envelhecer, tem que descansar. Ele fez uma com 40% de álcool para agradar o meu paladar. Fico muito feliz porque depois disso, muitas outras surgiram com uma graduação mais leve”, destaca.

Um dos grandes saltos na história da Triunfo foi quando eles desistiram de comprar uma casa própria para investir na aquisição das garrafas de vidro para trazer mais requinte e qualidade ao produto. “Começamos com garrafas pets, que remetem à cachaça de má qualidade. Com as garrafas prontas, saímos de bar em bar de Areia com a Triunfo na mão para oferecer”, conta a proprietária que vende cerca de 20 mil garrafas por mês.

Outro momento de virada na história foi quando o casal decidiu investir no turismo – com a visita ao engenho – para mostrar às pessoas como é o processo de produção e apresentar um pouco da história do casal. “É uma forma de incentivar quem tanto sonha em empreender”, argumenta Maria. A iniciativa também foi uma forma de promover o desenvolvimento regional por meio do turismo por conta do destilado – a rede de hotelaria, por exemplo, tinha apenas 60 leitos, em 2006, e hoje tem cerca de 1 mil.

“Só é bacana crescer se todo mundo crescer junto. Quanto mais empreendimentos turísticos, restaurantes, pousadas estiverem no seu destino, mais forte ele é”, completa a empreendedora.

Conta a Virada

A série disponibilizada no canal do Sebrae no Youtube apresenta trajetórias de empreendedores e empreendedoras de diferentes partes do país que conseguiram, a partir da superação de obstáculos e de experiências de erros e aprendizados, construir casos de sucesso. Com uma linguagem leve e descontraída, o programa viajou pelo Brasil para contar como donos de pequenos negócios conseguiram implementar soluções criativas, que podem inspirar outros empresários. A apresentação é feita pela analista do Sebrae Nacional Raquel Chaves.

  • cachaça
  • Conta a Virada