damanbet.in - Segmentos – damanbet.in – damanbet.inhttps://www.kaoshiol.comAcesse conteúdos jornalísticos, nos mais variados formatos, focados na informação como aliada das micro e pequenas empresasThu, 29 Dec 2022 13:14:38 +0000pt-BR hourly 1 https://wordpress.org/?v=6.2.3damanbet.in - Segmentos – damanbet.in – damanbet.inhttps://www.kaoshiol.com/cultura-empreendedora/dos-donos-de-pequenos-negocios-61-recorreram-a-emprestimos-pessoais-para-financiar-a-propria-empresa/Wed, 28 Dec 2022 12:35:12 +0000https://www.kaoshiol.com/?p=10620O aumento da dificuldade de acesso a crédito pelos meios formais e a falta de educação financeira têm feito com que a maioria dos donos de pequenos negócios recorram a empréstimos bancários por meio da pessoa física e não das próprias empresas. A pesquisa “Financiamento dos Pequenos Negócios no Brasil”, realizada pelo Sebrae, mostra que 61% do montante formado por micro e pequenas empresas e microempreendedores individuais (MEI) que recorreram a financiamentos ou empréstimos bancários nos últimos cinco anos fizeram a solicitação diretamente, não utilizando a pessoa jurídica do negócio. Esse percentual representa um recorde na série histórica da pesquisa iniciada em 2013.

Para o presidente do Sebrae, Carlos Melles, essa realidade identificada no estudo é resultado direto do expressivo crescimento do número de novos MEI na economia e da redução das fontes de financiamento.

“Entre 2020 e 2022, foram criados no Brasil, segundo o Portal do Empreendedor, do Ministério da Economia, o total de 5,2 milhões de novos microempreendedores individuais, que representa o perfil do dono de pequeno negócio que mais recorre aos empréstimos pessoais para financiar a empresa.”

De acordo com o levantamento do Sebrae, 73% dos MEI buscaram crédito por meio da pessoa física nos últimos cinco anos. O presidente do Sebrae lembra ainda que o fator escolaridade também afeta esse cenário. “Quanto maior o nível de escolaridade, maiores são as chances de o empreendedor usar os caminhos convencionais para buscar crédito para a empresa. Entre os donos de pequenos negócios com pós-graduação, por exemplo, cerca de 63% usam a pessoa jurídica para recorrer aos bancos. Já entre os empreendedores com nível fundamental, apenas 32% adotam o mesmo caminho”, complementa.

Carlos Melles lembra que separar as contas entre pessoais e da empresa é uma das primeiras recomendações que o Sebrae faz para qualquer pessoa que planeja abrir o próprio negócio. “Confundir a gestão da empresa e da pessoa física é um dos maiores erros que os empresários podem cometer. Isso torna o controle do orçamento da empresa praticamente impossível e pode comprometer seriamente a saúde financeira do negócio. Sem boa gestão, não há crescimento, solidez, aumento de receita, lucro e tudo o mais que se busca ao começar um negócio”, comenta.

Dificuldade de acesso a crédito

O levantamento do Sebrae mostra que, entre 2020 e 2022, cresceu a proporção de empresários que encontraram dificuldades para obter um novo crédito ou financiamento. A proporção saltou de 63% para 84% (recorde histórico da série).

A falta de garantias reais (20%), a taxa de juros muito alta (17%) e a falta de avalista/fiador (11%), foram as dificuldades mais citadas pelos donos de pequenos negócios que buscaram empréstimo ou financiamento bancário.

Confira os números do levantamento:

  • 61% dos pequenos negócios recorreram a empréstimos por meio da pessoa física.
  • Entre os MEI, essa proporção é maior – 73%.
  • Já entre as empresas de pequeno porte (EPP) e as microempresas, o percentual é menor: 50% e 53%, respectivamente.
  • 63% dos donos de pequenos negócios com pós-graduação usam a pessoa jurídica para solicitar empréstimos e financiamento. Entre os empresários com apenas nível fundamental, essa proporção cai para 32%.

-

]]>
damanbet.in - Segmentos – damanbet.in – damanbet.inhttps://www.kaoshiol.com/cultura-empreendedora/livro-destaca-a-evolucao-da-cachaca-em-200-anos/Thu, 08 Dec 2022 17:41:39 +0000https://www.kaoshiol.com/?p=10234Como parte das comemorações do Bicentenário da Independência do Brasil, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) – com apoio da Secretaria Especial da Cultura (Secult), do Ministério do Turismo, do Projeto Setorial de Promoção às Exportações de Cachaça – Cachaça: Taste The New, Taste Brasil, desenvolvido pelo Instituto Brasileiro da Cachaça (IBRAC) em parceria com Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil), o Sebrae e a Boom! Comunicação – lança o livro “200 anos_200 cachaças – a evolução da cachaça, da Independência aos dias de hoje, contada em 200 rótulos”.

Não há como se falar em 200 anos do Brasil sem falar em cachaça. A cana-de-açúcar fez parte dos primeiros ciclos econômicos no Brasil colonial, quando o açúcar era o principal produto de exportação, junto com o pau-brasil, o ouro, o café, o algodão e a borracha.

O livro é uma publicação bilíngue que traz a história da cachaça, sua linha do tempo, um manual de degustação e a evolução do mercado da cachaça brasileira contada por meio de 200 rótulos, elaborada por quatro especialistas: Andréia Gerk, Milton Lima, Luiz Arkhan e Jairo Martins, que evidenciam a importância desta bebida genuinamente brasileira como um dos mais significativos representantes da nossa identidade, sua contribuição cultural, social e econômica ao longo da história do país.

“A cachaça, o nosso destilado nacional, indicação geográfica do Brasil, não poderia ficar de fora das comemorações pelo Bicentenário da Independência. Temos que exaltar os nossos produtores que a cada dia produzem com mais qualidade, conquistam prêmios nacionais e internacionais, expandem o comércio e contribuem para a geração de empregos diretos e indiretos”, Andréia Gerk, Auditora Fiscal Federal Agropecuária e Assessora Especial do Mapa.

“Costumo dizer que a cachaça conecta as pessoas e que também é a mais democrática das bebidas. Participar do livro 200anos_200cachaças, uma publicação oficial do Bicentenário da Independência é não só elevar o nosso produto, mas também levar a nossa cultura aos paladares mais distantes. Uma missão pra lá de especial, carregada de cores, aromas, sabores e conquistas! Um brinde à Cachaça do Brasil!”, frisa Milton Lima, Ativista da Cachaça.

“Testemunha ocular dos acontecimentos econômicos e socioantropológicos que marcaram o desenvolvimento do Brasil, a cachaça foi elo no âmbito dos movimentos pró-independência. As 200 Cachaças aqui apresentadas representam o trabalho coletivo dos produtores de todo o país, que buscam qualidade e inovação para que a cachaça continue se destacando no Mapa Mundi dos Destilados”, ressalta Jairo Martins, consultor e conferencista com foco em destilados, especialmente cachaça.

“Em 2004, a convite do especialista em cachaça Milton Lima, iniciei um trabalho pioneiro no segmento de Cachaça de Qualidade, com a proposta de elevar o nível de apresentação e comunicação de suas empresas e produtos à altura dos grandes destilados do planeta. Este livro, que acaba de sair do “alambique”, é uma prova que existe sim um apoio real, por parte das organizações governamentais, a favor de – como gostamos de dizer – colocar cachaça em seu devido lugar!”, comemora Luiz Arkhan, diretor de criação.

O livro será apresentado ao público nacional e internacional em eventos do setor e feiras de negócios organizadas pelo Governo Federal, bem como em Embaixadas do Brasil em diversos países. Com tiragem limitada de 5 mil exemplares, os interessados e amantes da cachaça poderão ter acesso no site do Mapa à versão digital, disponível para download.

Data: 8 de dezembro de 2022 (quinta-feira)

Horário: 17h

Local: Espaço Ceres, Subsolo, Anexo do Mapa

Endereço: Esplanada dos Ministérios, Bloco D, Anexo, Brasília, DF

Informações: (61) 3128-2515/2797

Confirmações: cerimonial@agro.gov.br

Ponto focal da imprensa: Coordenadora-Geral de Comunicação Social, Carolina Moraes Pimentel Ricardi (61) 3218-2988 carolina.ricardi@agro.gov.br; Jornalista, Inez De Podestà (61) 99264-5460 inez.podesta@agro.gov.br

]]>
damanbet.in - Segmentos – damanbet.in – damanbet.inhttps://www.kaoshiol.com/cultura-empreendedora/congresso-da-conampe-reforca-resiliencia-dos-pequenos-negocios/Thu, 08 Dec 2022 10:53:25 +0000https://www.kaoshiol.com/?p=10200Heróis nacionais. Foi assim que os donos dos pequenos negócios foram referenciados na abertura da XIX Convenção Nacional da Micro e Pequena Empresa, na noite de quarta-feira (7), em Curitiba. A resiliência histórica dos empreendedores e a luta ao longo de décadas pela melhoria no ambiente para o segmento no Brasil foram a tônica do início do evento.

Presidente do Sebrae participa da abertura da XIX Convenção Nacional da Micro e Pequena Empresa (Conampe). Crédito: Patrícia Amancio.

Seria o brasileiro um empreendedor nato? Para Carlos Melles, presidente do Sebrae, há no país um “entusiasmo” pelo empreendedorismo, que é sem igual no mundo. “O Brasil está em primeiro lugar na pesquisa de percepção de querer empreender e esse número aumentou nos últimos anos”, afirmou, referindo-se à Global Entrepreneurship Monitor (GEM), realizada com apoio do Sebrae, em parceria com o Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade (IBPQ), mostrando que 53% dos brasileiros consideram empreender.

Devido a esse potencial, a Convenção Nacional da Micro e Pequena Empresa traz discussões para os caminhos e expectativas das MPE para 2023. A programação acontece nesta quinta-feira (8), como iniciativa da Confederação Nacional das Micro e Pequenas Empresas e Empreendedores Individuais (Conampe), do Sebrae e da Federação das Associações de Micro e Pequenas Empresas e Empreendedores Individuais do Estado do Paraná (Fampepar).

Há 18 anos, o coordenador-geral da Conampe, Ercílio Santinoni, discursa na abertura da convenção. Não foi diferente na edição de 2022, a segunda presencial pós-pandemia, que contou com a presença de delegações de 16 estados. “Nada é absolutamente decisivo para as MPE. Passamos por inúmeras crises, eleições, mudanças de governo e chegamos até aqui. Oportunidades não desaparecem quando governos mudam”, afirmou durante o discurso.

Fala a qual Luiz Lemos Leite, presidente da Associação Nacional de Fomento Comercial (Anfac), fez coro: “Existe algo que independe do ranço político, que é a capacidade de gerar riqueza no Brasil. O governo tem que dar o exemplo e preparar um arcabouço fiscal para eliminar os problemas sociais do país”. Santinoni destacou ainda as conquistas ao longo de 40 anos, como a anistia fiscal da década de 1980, o Simples Nacional, o Fórum Permanente das MPE, a política de compras públicas e a conquista de recursos e acesso a crédito nos últimos quatro anos.

Levantamento do Sebrae mostra que, até setembro de 2022, foram concedidos mais de 390 mil empréstimos às MPE. O Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), viabilizou R$ 27,8 bilhões e passou a incluir o microempreendedor individual (MEI) em sua nova fase, desde julho. O Fundo de Aval às Micro e Pequenas Empresas (Fampe), gerido pelo Sebrae, bateu R$ 2,9 bilhões, enquanto o Programa Emergencial de Acesso a Crédito (FGI PEAC) atingiu 6,8 bilhões.

“Quem garantiu uma estabilidade, ainda que mínima, na mais recente crise, foram as micro e pequenas empresas, os verdadeiros heróis do Brasil. Em outubro, 8 em cada 10 empregos foram gerados por MPE, e 9 em cada 10 novos negócios são MEI ou MPE”, apresentou Luc Pinheiro, diretor técnico do SEBRAE-SC.

Diante do cenário de melhorias e expectativas para o próximo ano, Vitor Tioqueta, diretor técnico do SEBRAE-PR, frisou a necessidade de os pequenos negócios se anteciparem às mudanças de legislação, tributação e outras questões que podem passar pela burocracia. “As MPE são menores e mais rápidas para se adaptarem a mudanças. Quando há um aumento de imposto, sancionamento de uma lei ou tributação de algum serviço, o pequeno empresário precisa entender como aquilo vai impactar seu negócio e se antecipar na adaptação do seu negócio”, aconselhou. “As MPE estão distribuídas por todo o Brasil, e é por elas que a renda circula pelos municípios. Nos últimos 10 anos houve um grande crescimento do segmento e a tendência é continuar a crescer”, reforçou Tioqueta.

]]>
damanbet.in - Segmentos – damanbet.in – damanbet.inhttps://www.kaoshiol.com/cultura-empreendedora/masterchef-quer-manter-carisma-e-proximidade-dos-pequenos-negocios/Wed, 07 Dec 2022 18:24:31 +0000https://www.kaoshiol.com/?p=10191Com uma larga experiência na profissão, o paulista Diego Sacilotto foi o campeão do programa MasterChef Profissional 2022. Ele já trabalhou com grandes nomes da gastronomia e teve a oportunidade de adquirir experiência no exterior. O pirarucu de Mamirauá e farinha de Uarini foram dois dos ingredientes com Indicação Geográfica (IG) que fizeram parte de uma ousada receita envolvendo chocolate e laranja, que o levou à final da 4ª temporada. Como empresário, Diego garante que o relacionamento próximo com o cliente – característico das pequenas empresas – é fundamental para o sucesso dos negócios.

À frente do Grupo Mozzafiato, que reúne seis restaurantes na zona norte de São Paulo e uma fazenda, Diego vem de uma família com tradição em empreender. Para ele, essa é uma experiência transformadora: “Estamos há 40 anos fazendo isso. Nós acompanhamos a transformação de muita gente. A mão de obra da gastronomia de São Paulo e do Brasil em geral, nos anos 90, era basicamente nordestina, em uma época em que o Nordeste sofria muito mais do que hoje. As pessoas vinham semianalfabetas. A segunda geração dessas famílias também trabalha conosco, mas chega com outra formação. Já vem com faculdade e traz outros sonhos”.

Segundo o empresário, até 2020, os restaurantes operavam de forma individual. A ideia de formar um grupo surgiu como estratégia para melhorar as negociações com fornecedores. Apesar da mudança nesse modelo, Diego ressalta que o tratamento dispensado ao público continua sendo individual, como normalmente acontece em um pequeno negócio. “Esse contato direto com o cliente é muito importante. Sempre que estamos funcionando, um dos donos está dentro. Queremos manter esse carisma de pequeno negócio, de proximidade, de atenção.”

Um dos planos para o futuro é criar um restaurante escola para formar pessoas, partindo da terra até o serviço final. Segundo o empresário, o interesse não é de agora, mas, ao ganhar o MasterChef, surgiram muitas oportunidades de parceria. “Eu fui a primeira geração da minha família que pode fazer faculdade. Então nunca esqueço disso. Cheguei aqui porque alguém me deu a oportunidade, porque alguém batalhou. E muitas pessoas não têm quem transpire por elas, para que consigam ser dignas de uma vida normal”.

Outro plano de Diego é estruturar a fazenda de sua família, em Pindamonhangaba, no interior de São Paulo, onde são produzidos os alimentos orgânicos usados nos restaurantes. Diego também pretende valorizar e criar iniciativas juntos aos pequenos produtores rurais: “o caminho deles é árduo, difícil de ser notado, principalmente na gastronomia, que é dominada pela indústria”.

Prova final do MastcerChef

O desafio que garantiu uma vaga a Diego na final do MasterChef Profissional 2022 usou alimentos produzidos exclusivamente por pequenos produtores e com selo de Indicação Geográfica (IG), que atesta a origem do produto, garantindo a proteção e promoção dos territórios vinculados.

Nessa prova, Diego preparou pirarucu com farofa de uarini e chocolate acompanhado de chips e molho de cebola, espumante, cajuína e mel. Ele usou 10 ingredientes: chocolate ao leite, pirarucu, socol, mandioca, inhame, farinha de mandioca, mel, espumante, laranja e cajuína. “Eu me lembro bem dessa prova e fiquei muito feliz pela proposta do programa porque o nosso maior objetivo era contar a história do pequeno produtor, da valorização do artesanal”, finaliza.

]]>
damanbet.in - Segmentos – damanbet.in – damanbet.inhttps://www.kaoshiol.com/cultura-empreendedora/com-o-barreado-do-litoral-do-parana-brasil-chega-a-100-indicacoes-geograficas/Tue, 06 Dec 2022 13:58:45 +0000https://www.kaoshiol.com/?p=10169Marcado pela riqueza e diversidade de seus produtos e serviços, o Brasil comemora nesta terça-feira (6), o reconhecimento de sua 100ª Indicação Geográfica (IG) pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI). O registro para o barreado do Litoral do Paraná foi publicado na Revista da Propriedade Industrial (RPI), que divulga os atos oficiais do Instituto.

Das 100 Indicações Geográficas brasileiras, 76 são Indicações de Procedência (IP), na qual a região é conhecida por seu produto ou serviço, e 24 são Denominações de Origem (DO), em que o produto ou serviço possui características e qualidades decorrentes de fatores naturais e humanos. Tanto a IP quanto a DO são espécies da IG. Também estão registradas no INPI nove DOs estrangeiras. “Para o Sebrae, a Indicação Geográfica é um mecanismo para agregar valor, diferenciar o produto do pequeno negócio, acessar mercados de nicho e desenvolver as regiões”, afirma o presidente do Sebrae, Carlos Melles.

O 100º registro ocorre exatamente 20 anos depois do primeiro, que foi para os vinhos do Vale dos Vinhedos (RS), reconhecido em 2002 como IP. O Sudeste é a região brasileira com mais IGs (35), seguido pelo Sul (32), Nordeste (17), Norte (12) e Centro-Oeste (4). Entre os estados que possuem mais registros, destacam-se Minas Gerais (16), Rio Grande do Sul (13) e Paraná (12).

As IGs envolvem 64 produtos agroalimentares, 20 produtos não-agroalimentares, 15 vinhos e destilados e um serviço. Os produtos com mais Indicações Geográficas no Brasil são: café (14), artesanato (12), vinhos ou espumantes (12) e frutas (12).

Saiba mais sobre o barreado do Litoral do Paraná

Reconhecido nesta terça-feira como IG, na espécie Indicação de Procedência, o barreado é um produto típico do Litoral do Paraná, feito à base de carne bovina cozida exaustivamente em uma panela hermeticamente fechada com goma de farinha de mandioca, de acordo com a tradição originária dos Açores, em Portugal.

Passado um tempo mínimo de oito horas de cozimento após a fervura, produz-se um resultado único, com a carne macia e desmanchando-se, devendo ser servida, usualmente, com farinha de mandioca branca e banana da terra, segundo a documentação apresentada ao INPI.

Embora o barreado seja produzido e degustado há mais de 200 anos em toda a região do Litoral do Paraná, as comprovações apresentadas ao INPI demonstram que sua notoriedade se relaciona diretamente aos municípios de Antonina, Morretes e Paranaguá, que, devido à sua proximidade, cresceram de forma entrelaçada, gerando o compartilhamento de elementos culturais e tradições.

O tropeirismo é uma dessas tradições, essencial para o desenvolvimento da economia e do povoamento do Paraná como um todo, mas que, na região litorânea, favoreceu ainda a gênese e a afirmação do produto como típico dos três municípios mencionados.

Localmente, o barreado é considerado mais que uma iguaria, sendo um produto resultante da manifestação gastronômica da cultura da região, presente em festividades como casamentos, batizados e aniversários, bem como nas festas comunitárias e religiosas, de acordo com a documentação enviada ao Instituto.

]]>
damanbet.in - Segmentos – damanbet.in – damanbet.inhttps://www.kaoshiol.com/cultura-empreendedora/produtos-brasileiros-com-ig-sao-destaques-de-evento-internacional-no-parana/Fri, 02 Dec 2022 18:51:57 +0000https://www.kaoshiol.com/?p=10086Para promover novos negócios e valorizar os produtores locais brasileiros, Curitiba recebe o V Evento Internacional de Indicações Geográficas e Marcas Coletivas – Origens Brasileiras entre os dias 8 e 10 de dezembro. A programação será realizada no formato híbrido, com atividades presenciais no Memorial de Curitiba e transmissão on-line em português e tradução simultânea para inglês, espanhol e francês. Entre as atividades previstas, estão a realização de painéis técnicos, oficinas, feiras, palestras e rodadas de negócios. A participação é gratuita e aberta à comunidade e as inscrições devem ser efetuadas no site do evento.

Atualmente, o Brasil conta com 99 Indicações Geográficas (IG), sendo a maioria ligada ao agronegócio, com destaque para as 14 IGs de cafés especiais. Entre os estados com mais produtos com o selo, estão Minas Gerais (16), Rio Grande do Sul (13) e Paraná (11). Outros cerca de 70 pedidos apoiados pelo Sebrae estão em fase de estruturação e devem ser protocolados junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) até 2024.

Paraná já tem 11 Indicações Geográficas. Foto: Alessandra Rosa.

A analista de inovação do Sebrae Nacional, Hulda Giesbrecht, afirma que o evento é o primeiro encontro nacional após o lançamento do Selo Brasileiro de Indicação Geográfica, em dezembro de 2021.

“Esse encontro facilita na aproximação entre os produtores e empresários e ainda trabalha o senso de pertencimento. Hoje, podemos afirmar que as IGs brasileiras são formadas por cerca de 98% de pequenos negócios que estão focados em colocar no mercado um produto de qualidade, controlado, que tem um registro e uma história. Isso agrega valor e é um diferencial. As IGs geram retorno para o País, com produtos únicos, e, até mesmo, com exportações e ainda podem auxiliar a criar novos mercados no exterior”, comenta.

Experiência Mundial

O evento terá a participação de representantes de organizações e IGs reconhecidos mundialmente. Um dos que deve contar com representantes é o Queijo Roquefort. Originado na região de Roquefort-sur-Soulzon, sul da França, o alimento é elaborado com leite de ovelha e tem séculos de história. Além disso, possui o selo de Denominação de Origem Protegida (DOP), que garante a preservação do método tradicional e da região em que é produzido.

Os produtores irão participar do painel “Controle e garantia de qualidade baseado na origem dos produtos das IGs e acompanhamento de mercado”, previsto para sexta-feira (9), a partir das 14h30.

Ainda estarão presentes, durante o evento, representantes da Organização Mundial da Propriedade Intelectual (Ompi), Organização Mundial da Indicações Geográficas (Origin) e os dirigentes da recém-criada Associação Brasileira de Indicações Geográficas (Abrig), entre outros.

Brasil em evidência

Uma das IGs com representantes confirmados no encontro é a Maçã Fuji da região de São Joaquim, em Santa Catarina. A fruta conquistou o selo em agosto de 2021 por conta de fatores como o alto grau de adaptabilidade às condições locais, resultando em características diferenciadas na qualidade dos frutos, além do processo produtivo desenvolvido há cinco décadas.

“Para nós, a participação no evento será uma grande oportunidade de conhecer novas IGs do Brasil e do mundo. Vamos trocar informações e conhecimento, abrir novas oportunidades de negócios e expor a história e a qualidade do nosso produto pela primeira vez em um evento internacional”, explica o presidente da Associação dos Produtores de Maçã e Pera de Santa Catarina (Amap), Diego Nesi.

Maçã Fuji da região de São Joaquim se tornou IG em agosto de 2021. Foto: divulgação.

Segundo dados da Amap, a cidade de São Joaquim é responsável por 35% das maçãs produzidas no Brasil, o equivalente a cerca de 380 mil toneladas. Desse montante, 150 mil toneladas são da Maçã Fuji, cultivadas por 1.700 produtores locais certificados.

“Possuímos produtos no Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, além de Santa Catarina. Temos planos para expandir mais no decorrer de 2023, à medida que a Maçã Fuji de São Joaquim se torne mais conhecida”, finaliza Nesi.

Realização

O evento é promovido pelo Sebrae, INPI, Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa), Ompi e a Associação Brasileira das Indicações Geográficas (Abrig), e conta com o apoio do Ministério da Economia, da Prefeitura de Curitiba e da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento do Paraná, da Embaixada da França e do EUIPO.

Serviço:

V Evento Internacional de Indicações Geográficas e Marcas Coletivas

Data: 8 a 10 de dezembro, a partir das 8h30

Local: Memorial de Curitiba (Rua Doutor Claudino dos Santos, nº 79)

Informações e inscrições gratuitas: origensbrasileiras.com.br

]]>
damanbet.in - Segmentos – damanbet.in – damanbet.inhttps://www.kaoshiol.com/cultura-empreendedora/destinos-turisticos-inteligentes-do-parana-ganham-catalogo-de-experiencias/Fri, 02 Dec 2022 15:26:27 +0000https://www.kaoshiol.com/?p=10075Foi lançado, nesta quinta-feira (01), durante a reunião do Conselho Paranaense de Turismo (Cepatur), em meio à programação do Festival das Cataratas, em Foz do Iguaçu, o Catálogo de Experiências Turísticas do Paraná. O material, elaborado pelo Sebrae/PR em parceria com a Paraná Turismo, com o apoio do Cepatur, descreve 77 experiências que podem ser vividas no Paraná, divididas em seis segmentos: gastronomia; cultura e história; ecoturismo e natureza; saúde e beleza; rural; e tecnologia e inovação.

Segundo a coordenadora estadual de turismo do Sebrae/PR, Patrícia Albanez, o projeto atende a uma tendência mundial. Ela descreve que, a partir de estudos e análises, foi possível afirmar que os turistas estão cada dia mais conectados e procuram pelos chamados “Destinos Turísticos Inteligentes”, que oferecem não só os atrativos das cidades, mas também oportunizam a vivência de experiências inesquecíveis.

“Os turistas estão à procura de experiências completas e esse trabalho foi desenvolvido a muitas mãos com o objetivo de melhorar ainda mais o turismo paranaense. Agora, podemos entregar uma vivência mais completa e intensa. São vários produtos novos, que foram testados, validados e incluídos no Catálogo que, a partir de agora, poderá ser acessado por todos aqueles que têm interesse em conhecer mais e melhor o nosso Estado”, avalia Patrícia.

O projeto abrangeu 15 municípios paranaenses: Antonina, Morretes, São José dos Pinhais, Lapa, Curitiba, Ponta Grossa, Guarapuava, Apucarana, Jacarezinho, Londrina, Maringá, Umuarama, Pato Branco, União da Vitória e Foz do Iguaçu. De todos eles, foram selecionados 248 empreendedores, que participaram da Jornada de Formação de Produtos Turísticos da Rede de Agentes de Turismo, cujo cronograma foi constituído de consultorias oferecidas pelo Sebrae/PR e de workshops e capacitações sobre marketing, comunicação, gestão e influência digital, por exemplo.

Como resultado, foram formatadas 101 novas experiências e 77 foram validadas e incluídas no Catálogo, que conta uma versão virtual, com acesso facilitado via QRCode e pelo site. No compilado, estão descritas, também, a vivência Barro das Conchas, de Antonina; a imersão com yoga na Furna Grande, de Ponta Grossa; o London City Tour, de Londrina; a hospedagem na suíte natalina, no Hotel San Pietro, de Pato Branco; e a degustação dos Sabores do Iguaçu, na Oficina do Sorvete, de Foz do Iguaçu, dentre outras.

“Esse é um trabalho que coloca em evidência muitas das potencialidades turísticas do nosso Estado. Estamos muito felizes com essa entrega e esperamos que o Catálogo sirva para inspirar viagens incríveis ao Paraná”, destaca Irapuan Santos, diretor presidente da Paraná Turismo.

Caminho de São Miguel Arcanjo
Ainda durante a reunião da Cepatur, ocorreu, também, o pré-lançamento da rota no Caminho de São Miguel Arcanjo, em Prudentópolis, região Centro do Paraná. O destino, que foi escolhido como piloto de um projeto que visa desenvolver o turismo religioso no Estado, passou por um processo amplo de capacitações e consultorias oferecidas pelo Sebrae/PR. Foram atendidas 28 empresas e validadas sete novas experiências turísticas.

Agora, além das cachoeiras gigantes, que são consideradas referências de Prudentópolis, o município passa a oferecer os seguintes produtos: truck tour no Caminho de São Miguel; Vivenciando a Cultura Ucraniana no Museu do Milênio; tirolesa noturna de São Miguel; preparo e degustação de Varenyky (prato típico ucraniano feito com massa cozida e recheios diversos), na Pousada Ralu e Hostel; a Rota da Fé, no Caminho de São Miguel Arcanjo; os souvenires da fé, na Singular Souvenir; e o Rapel Vendado – uma experiência singular no Caminho de São Miguel, no Salto Sete Adventure Park.

“Apresentar os resultados iniciais da formatação desse Caminho é uma realização imensurável. Somos conhecidos como a Ucrânia brasileira e a terra das cachoeiras e queríamos, há muito tempo, formatar novas experiências na nossa cidade. O apoio do Sebrae/PR foi essencial para tirarmos esse projeto antigo do papel e, agora, temos certeza de que a rota religiosa de Prudentópolis estará entre as principais do País, oportunizando aos peregrinos uma experiência que, além de religiosa, será composta por belas paisagens, vivências exclusivas e sabores que ficarão na memória”, pontua a secretária de turismo de Prudentópolis, Cristiane Guimarães Rossetim.

Todos os detalhes sobre a rota Caminho de São Miguel Arcanjo, de Prudentópolis, podem ser acessados de forma gratuita pelo aplicativo AppPrude, disponível para download gratuito em dispositivos iOS e Android. Lá, além das informações gerais sobre a rota, também estão disponíveis informações sobre gastronomia, hospedagem, produtos típicos, cachoeiras e história do município.

]]>
damanbet.in - Segmentos – damanbet.in – damanbet.inhttps://www.kaoshiol.com/cultura-empreendedora/setor-de-servicos-e-o-mais-otimista-quanto-a-geracao-de-vagas-de-trabalho-para-festas-de-fim-de-ano-e-ferias-escolares/Fri, 02 Dec 2022 13:48:23 +0000https://www.kaoshiol.com/?p=10060As pequenas empresas do setor de Serviços são as mais otimistas e as que mais apostam no aumento do número de empregados nos próximos três meses, período que engloba as festas de fim de ano e férias escolares. Segundo pesquisa feita em outubro pelo Sebrae e pela Fundação Getulio Vargas, 19,8% dos donos de micro e pequenos empreendimentos acreditam que farão novas contratações no período. O percentual é 2,2 pontos percentuais maior que o registrado em um levantamento anterior, de setembro. Ainda de acordo com o estudo, 74,8% dos empresários desse setor devem manter o tamanho das equipes e 5,4% acreditam que pode haver uma redução do quadro de funcionários.

O segundo segmento com melhores perspectivas de geração de novas vagas de trabalho é o da Indústria, onde 18,3% dos empreendedores apostam em contratações. O número é 1,7 ponto percentual superior ao registrado em setembro. Nessa área, 69,3% dos empresários acreditam que devem sustentar a dimensão das equipes e 12,4% têm expectativa de demissões nos próximos três meses.

No Comércio, a pesquisa do Sebrae e da FGV identificou que 15,3% dos donos de micro e pequenas empresas acreditam no aumento de vagas para novos empregados. Já 79,9% preveem uma situação de estabilidade e a minoria (4,8%) aponta uma possível demissão de funcionários.

Para o presidente do Sebrae, Carlos Melles, o cenário previsto pela pesquisa é positivo. “Apesar de todas as dificuldades que as micro e pequenas empresas enfrentaram nos últimos anos e a despeito das perspectivas ainda incertas para 2023, a maioria dos donos de pequenos negócios aposta na manutenção ou até no aumento do quadro de funcionários”, comenta.

]]>
damanbet.in - Segmentos – damanbet.in – damanbet.inhttps://www.kaoshiol.com/cultura-empreendedora/nova-edicao-do-radar-agtech-conta-com-o-apoio-do-sebrae/Thu, 24 Nov 2022 12:29:22 +0000https://www.kaoshiol.com/?p=9805O Radar Agtech 2022, mapeamento das startups do agro brasileiro, foi lançado nessa quarta-feira (23), em São Paulo, no hub de inovação Distrito. Principal fonte de informações para quem quer obter um panorama das empresas de base tecnológica do setor, o Radar Agtech traz dados sobre perfil, segmento, área de atuação e localização das agtechs, além de revelar os investidores que realizaram aportes neste campo. O mapeamento reúne mais de 1.700 empresas que desenvolvem soluções em tecnologia aplicada à agricultura, a maior parte situada em São Paulo, mas com atuação nacional.

“O Radar Agtech, cuja primeira edição é de 2019, mostra que nosso principal desafio, como país e como setor, é agregar valor. Empreender não é fácil e no agro, menos ainda. Mas podemos investir, por exemplo, em produtos com certificado de origem e em alimentos orgânicos”, disse Thiago Teixeira, da Embrapa, que desenvolveu o estudo com o apoio do Sebrae, da SP Ventures e da consultoria Homo Ludens.

Para a edição 2022 do Radar, o Sebrae empenhou esforços para ampliar a abrangência do levantamento. A partir de sua robusta base de dados de startups de diversas áreas em todos os estados brasileiros, o Sebrae contribuiu para expandir o número de agtechs catalogadas e qualificar as informações do estudo, levando em conta dados qualitativos, que abrangem aspectos como tamanho da empresa, quantidade e gênero dos sócios, registro no CNAE, entre outros. A etapa seguinte foi elaborar um diagnóstico aprofundado das startups mapeadas, a partir de entrevistas que procuravam conhecer o perfil e as necessidades desses negócios.

O analista de Inovação do Sebrae Rodrigo Rodrigues representou a instituição no evento. Crédito: Fabio Eufrazio.

“O Sebrae viu no estudo uma grande oportunidade para intensificar sua agenda no segmento do agro. E, indubitavelmente, o Radar Agtech é um expoente de mapeamento maduro para nos conectarmos de forma mais rápida e eficiente com os produtores”, afirmou Rodrigo Rodrigues, analista de Inovação do Sebrae. As startups mapeadas pelo Radar Agtechs estão organizadas em três segmentos e reúnem soluções baseadas em robótica, edição de genes, inteligência artificial, blockchain, nanotecnologia, proteína sintética, agricultura celular e machine learning.

“Conhecer e apoiar as startups identificadas no Radar Agtech é um dos meios mais rápidos e eficientes para alcançarmos o objetivo de alçar os nossos produtores, não somente os grandes, mas principalmente as pequenas propriedades rurais, ao nível de referência global em sustentabilidade, produtividade, inovação e digitalização”, sinalizaram Carlos Melles e Bruno Quick, presidente e diretor técnico do Sebrae, na introdução do Radar AgTech 2022.

O documento está disponível em radaragtech.com.br.

]]>
damanbet.in - Segmentos – damanbet.in – damanbet.inhttps://www.kaoshiol.com/cultura-empreendedora/sebrae-lanca-polo-de-referencia-em-bioeconomia/Tue, 22 Nov 2022 21:00:06 +0000https://www.kaoshiol.com/?p=9735A região do Baixo Amazonas é sede do Polo Sebrae de Bioeconomia, lançado nessa segunda (21), no Museu de Ciência da Amazonia (MuCa), em Belterra. A iniciativa é voltada para o desenvolvimento de conteúdos, soluções e experiências que visam uma melhor gestão e inovação das cadeias de bioeconomia e turismo na Amazônia. Representantes do Sebrae, de entidades da iniciativa privada e do poder público e empreendedores participaram do evento, entre eles parceiros estratégicos do Polo, que são o governo do Pará e a Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa). A previsão de investimentos ultrapassa R$ 18 milhões, para implementar ações até 2024.

Participação remota do diretor-técnico do Sebrae Nacional, Bruno Quick.

O Polo funciona como uma unidade de inteligência voltada para a disseminação de conhecimentos e de soluções, sendo estratégico para o desempenho de pequenos negócios. “Espero que possamos disseminar na região amazônica, inicialmente, a questão da bioeconomia como carro-chefe e uma atividade empreendedora de alto valor agregado”, ressaltou o diretor-técnico do Sebrae Nacional, Bruno Quick, que participou do lançamento de forma remota, de Brasília.

Foto: Carlos Borges.

Laboratórios bem equipados, para pesquisa básica e para abrigo das coleções naturais, criando um relevante banco genético dentro da Floresta Amazônica, e um centro de exposições interativas das principais pesquisas do Pará no que se refere à biodiversidade, biotecnologia e genética integrarão o Polo.

“Precisamos nos apropriar dos nossos insumos e riqueza. Esse projeto é inovador e irá fortalecer os pequenos negócios. Damos um passo histórico para esse segmento e para o desenvolvimento da região”, declarou o diretor-superintendente do Sebrae no Pará, Rubens Magno, reforçando o papel do Sebrae para apoiar empreendedores não só para desenvolver as atividades que já existem, mas iniciem negócios nessa cadeia da bioeconomia.

“Queremos que o mundo perceba essa Amazônia. O objetivo é criar produtos inovadores a partir dos componentes da região” pontuou o diretor do MuCA, Luiz Felipe Moura.

“Um projeto de bioeconomia precisa ser inclusivo e com gestão compartilhada. Essa é a proposta do governo do Estado, e que observamos um alinhamento do Polo”, destacou a titular da Secretária de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Sectet), Edilza Fontes, que representou o governador Helder Barbalho no evento.

“Nós temos o potencial humano, biológico e natural. O que precisamos é de investimento. O investimento em bioeconomia é o principal motor para nos garantir sustentabilidade”, ressaltou a reitora da Universidade Federal do Oeste do Pará, Aldenize Xavier.

O evento de lançamento contou a participação de diversas autoridades, representantes de entidades de classe, representantes do poder público e empreendedores, entre eles: os dirigentes do Sebrae/PA – Sebastião Campos (presidente do Conselho Deliberativo Estadual/CDE), Fabrizio Guaglianone (diretor técnico) e Cássia Costa (diretora administrativa e financeira; a diretora técnica do Sebrae no Mato Grosso, Eliane Chaves; o prefeito de Belterra, Jociclélio Macedo; técnicos e analistas do Sebrae, além de membros do CDE.

Polos pelo Brasil 

Com o lançamento no Pará, já são 13 Polos no Brasil: Agro (GO); Centro de Referência em Educação Empreendedora – CER (MG); Centro Sebrae de Sustentabilidade – CSS (MT); Centro de Referência do Artesanato Brasileiro – CRAB (RJ); Onshore (BA); Offshore (RJ); Ecoturismo (MS); Liderança (PR); Bioeconomia (PA); Energias Renováveis (RN); Startups (SC); Indústria (RS); e Economia Criativa (SP).

Foto: Carlos Borges.

Exposição

Sete empresas que atuam na temática da bioeconomia e que serão diretamente beneficiadas pelo Polo participaram do lançamento do Polo expondo os seus produtos: Neuroprotect; Directto; Eirusu – Mel e Abelhas sem Ferrão; Xibé – Moda Sustentável; Deveras Amazônia; Soul da Mata; e Ekilibre Amazonia.

“Buscamos parceria para indicação geográfica, para ter um mel exclusivo da Amazônia, nosso produto é totalmente diferenciado. Sou zootecnista e vim da Academia, trabalho com isso desde a graduação”, destacou Adcleia Pires, proprietária da Eirusu.

]]>
damanbet.in Mapa do site

1234