555brl - Sustentabilidade – 555brl – 555brlhttps://www.kaoshiol.comAcesse conteúdos jornalísticos, nos mais variados formatos, focados na informação como aliada das micro e pequenas empresasFri, 22 Dec 2023 20:15:04 +0000pt-BR hourly 1 https://wordpress.org/?v=6.2.3555brl - Sustentabilidade – 555brl – 555brlhttps://www.kaoshiol.com/cultura-empreendedora/quilombo-kalunga-na-chapada-dos-veadeiros-ganha-premio-nacional-de-turismo/Fri, 22 Dec 2023 20:15:04 +0000https://www.kaoshiol.com/?p=19440A Associação Kalunga Comunitária do Engenho II (AKCE), de Cavalcante, no Nordeste Goiano, foi a vencedora da Categoria Turismo de Base Comunitária e Turismo Social, dentro do Prêmio Nacional do Turismo 2023. Essa foi a única vencedora goiana no prêmio nesta edição.

O prêmio teve como tema “O Turismo Transformando Vidas”. Neste ano foram premiadas dez categorias de iniciativas de destaque e nove categorias de profissionais. O evento de premiação aconteceu durante o Salão Nacional do Turismo, realizado de 15 a 17 de dezembro em Brasília pelo Ministério do Turismo.

A tesoureira da AKCE, Dominga Natália, conta que atualmente cerca de 250 famílias vivem no local, e destaca ainda que a conquista do prêmio foi algo muito importante para todos os moradores, com o reconhecimento do turismo de base organizado e gerenciado pela própria comunidade. “Isso nos mostra que estamos no caminho certo”, comemora. “Há uma grande importância neste reconhecimento, não só para o Quilombo Kalunga, mas também por ser o primeiro prêmio do estado de Goiás para turismo de base, e isso é de uma grandeza incomparável”, enfatiza.

Sebrae Goiás realizou ações de apoio na comunidade (fotos: Sebrae)

Apoio

Para alcançarem a excelência de hoje muito trabalho foi feito. Um dos apoiadores em períodos dessa jornada tem sido o Sebrae Goiás. A gestora de Turismo da instituição, Priscila Vilarinho, conta que no início foi feita uma atuação pontual com a comunidade entre 2004 e 2006, iniciando um trabalho de conversas e estruturação da visitação turística. “Mas foi o próprio quilombo de fato que se estruturou ao longo dos anos e implantou o sistema de visitação”, destaca.

Depois disso, nestes últimos dois anos o Sebrae retornou com esse apoio. “Foi feito um estudo de competitividade, com dados do fluxo turístico, oportunidades e tendências de mercado. Sabemos do grande potencial ainda para avançar. O resultado já vemos atualmente. Para nós, do Sebrae, é uma felicidade imensa terem sido premiados”, avalia.

Mas o trabalho não para por aí. “Estamos também formatando novas rotas, focadas no turismo cultural, para diversificar a oferta no Engenho II e outras comunidades, porque hoje está muito concentrado somente no ecoturismo”, adianta. Conforme Priscila, o trabalho já teve início, mas será expandido em 2024, e faz parte do Programa Rede de Agentes de Roteiros Turísticos.

Priscila também traz mais uma novidade sobre o turismo na região. “Está sendo elaborado um planejamento participativo para promover o Ecomuseu Kalunga, trazendo um novo conceito de museu. Ele vai abarcar a trajetória do povo Kalunga como um todo, e retratar a cultura desse quilombo tão importante no Brasil”, explica.

Durante o evento, também foram destaques os novos produtos turísticos que o Sebrae tem ajudado na formatação das novas rotas turísticas. Estas foram inclusive citadas pelo próprio Ministro do Turismo. Foram elas a Rota dos Pireneus, de queijos e vinhos de Goiás, que acontece nos municípios de Pirenópolis, Corumbá de Goiás e Cocalzinho de Goiás; a Rota Além das Águas, que acontece nos municípios de Caldas Novas, Rio Quente e Piracanjuba; e o Cristaline-se, de joias em Cristalina. Também foi oferecida uma degustação de um novo roteiro que virá, a Rota de Bem-estar e Saúde, na Chapada dos Veadeiros, englobando Alto Paraíso de Goiás e Cavalcante, contendo também ações no Quilombo Kalunga.

Quilombo Kalunga é o maior do Brasil, com 262 mil hectares, 39 comunidades e aproximadamente 9 mil pessoas (Fotos: Sebrae)

O quilombo

Com uma atuação no turismo de base comunitária há mais de 20 anos, o Quilombo Kalunga tem se transformado em referência para os povos tradicionais e originários quanto ao desenvolvimento do turismo. Existem no local lideranças jovens que estão entre os responsáveis pelo avanço da região.

O Quilombo Kalunga é o maior quilombo do Brasil, com 262 mil hectares, 39 comunidades e aproximadamente 9 mil pessoas. Está localizada na região turística da Chapada dos Veadeiros e envolve os municípios de Cavalcante, Teresina de Goiás e Monte Alegre de Goiás, e na comunidade do Engenho II é possível ver jovens empreendedores e como líderes. No local está localizada inda a Cachoeira Santa Bárbara, que para muitos é considerada a cachoeira mais bonita do Brasil.

Com uma enorme rede comunitária de empreendedorismo turístico, a comunidade possui aproximadamente 200 condutores de visitantes, cinco restaurantes, três meios de hospedagens e 17 transportadores turísticos, movimentando uma grande cadeia turística. Os ganhos com o turismo geram emprego e renda para os moradores, mas também colaboram com o desenvolvimento comunitário. Parte dos recursos oriundos das entradas dos visitantes para as cachoeiras vai para investimentos na infraestrutura comunitária, no apoio à educação, saúde, esporte, cultura e na estrutura turística.

Informações para a imprensa

Na sede do Sebrae: Adriana Lima – (62) 3250-2263 / 99456-2491

Na Regional Entorno do DF/Nordeste | Posse: Agência Entremeios Comunicação / Renato Feitosa – (61) 99947-1248

Acesseaqui a Vitrine do Sebrae Goiás.

]]>
555brl - Sustentabilidade – 555brl – 555brlhttps://www.kaoshiol.com/inovacao-e-tecnologia/sebrae-mt-comemora-resultados-positivos-pos-cop-28-e-amplia-debates-sobre-acoes-sustentaveis/Wed, 20 Dec 2023 12:37:03 +0000https://www.kaoshiol.com/?p=19383Após o encerramento da 28ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP-28), o Sebrae/MT (Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) continua seu compromisso de fortalecer e expandir as iniciativas sustentáveis ​​apresentadas em Dubai, nos Emirados Árabes. Nesta terça-feira (19.12), o Centro Sebrae de Sustentabilidade (CSS) foi o palco da continuidade ao diálogo, envolvendo a comunidade, empreendedores e partes interessadas para promover ações concretas que fortaleçam a economia verde e a preservação ambiental no estado.

Entre os casos de sucesso levados à COP-28 e compartilhados durante o evento estão os projetos de ‘Etno e ecoturismo Haliti-Parecis’, ‘Pró-Pantanal’, o ‘CSS – Referência em Sustentabilidade’ e a ‘Consultoria ESG – Selo Tesouro Verde’, os quais representam um compromisso estratégico na construção de um turismo consciente e na preservação de ecossistemas necessários.

O diretor Técnico do Sebrae/MT, André Schelini, destaca que tais iniciativas representam um compromisso estratégico na construção de um turismo consciente e na preservação de ecossistemas além de transformar os pequenos negócios em protagonistas da transição para uma economia de baixo carbono.

“O Sebrae Mato Grosso levou quatro iniciativas de fomento à sustentabilidade durante a COP. Lá apresentamos uma abordagem proativa na implementação desses objetivos alinhados com o desenvolvimento sustentável. Mais do que discursos, entregamos ações tangíveis para efetivamente abordar a transição energética e a redução de emissões de carbono. Essa ênfase na prática foi um dos principais temas discutidos na conferência, destacando a importância de ações concretas para promover a transição para uma economia mais sustentável”, enfatizou.

O cacique Roni Parecis, que também integrou a comitiva mato-grossense em Dubai, participou do painel ‘Pós-Cop’ e destacou a importância do projeto ‘Etno e Ecoturismo Haliti Parecis’, na cidade de Campo Novo do Parecis. Roni, ao reforçar o compromisso com práticas sustentáveis junto à conferência, ressaltou os resultados positivos do turismo sustentável evidenciando não apenas sua capacidade de promoção da visibilidade cultural, mas também de fortalecer o orgulho da identidade indígena.

“Reforçamos a compreensão de que se desejamos lidar com a crise climática e preservar a natureza em sua totalidade, o turismo é um caminho notável a ser seguido. É uma das atividades mais saudáveis que um ser humano pode empreender, respeitando o valor inestimável do planeta. Esse enfoque trará uma geração de indivíduos capazes de moldar o futuro de forma sustentável, agregando valores importantes – espirituais, cosmológicos, culturais e étnicos. Mais importante ainda, isso nos permite vislumbrar um futuro tangível, não apenas um discurso, mas sim uma prática efetiva, impulsionada por altos padrões de sustentabilidade”, afirmou.

Alessandra Umbelino, representante do Brasil Mata Viva (BMV), e Getúlio Vaz, analista técnico do Sebrae/MT, também participaram do painel. O encontro foi transmitido ao vivo e pode ser acessado através deste link.

CSS – referência em sustentabilidade

Engajado no propósito de facilitar a inclusão dos pequenos negócios na nova economia, o Centro Sebrae de Sustentabilidade (CSS), que atua na disseminação de conhecimentos de inovação e sustentabilidade, foi apresentado aos participantes da COP-28.

“A nossa participação na COP-28 foi para levar os projetos do Sebrae/MT e apresentar o Centro Sebrae de Sustentabilidade, para empresários, instituições que estavam na Conferência, e o nosso diretor levou as iniciativas e atuações do CSS, que atua com foco em promover o empreendedorismo sustentável”, falou Nager Amui, analista Técnico do CSS, que acompanhou a comitiva à COP-28.

Outro projeto apresentado na Conferência, foi o de ‘Consultoria ESG – Selo Tesouro Verde’, que traz a possibilidade para o empresário adotar práticas de sustentabilidade e aderir aos quesitos ambiental, social e governança com a neutralização dos gases emitidos na atmosfera, por meio de um ativo ambiental de créditos de floresta, para a conservação de florestas nativas.

Pró-Pantanal

Com iniciativas decisivas na promoção de transformação, a instituição ressaltou a relevância do programa Pró-Pantanal, alinhado aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) e aos temas centrais discutidos durante a conferência.

Criado como um programa de apoio à recuperação econômica do bioma Pantanal, após o recorde histórico de queimadas em 2020 e período pandêmico, o projeto que foi desenvolvido em parceria entre o Sebrae/MT e Sebrae/MS, prevê minimizar os impactos na economia local, somado aos efeitos da pandemia.

Um ponto fundamental da iniciativa é promover o desenvolvimento das lideranças locais nos sete municípios em Mato Grosso – Cáceres, Lambari D’Oeste, Nossa Senhora do Livramento, Poconé, Santo Antônio do Leverger, Barão de Melgaço e Itiquira –, permitindo que implementem agendas sustentáveis ​​com autonomia.

“O Pró-Pantanal está profundamente integrado ao contexto de desenvolvimento territorial, promovendo um ambiente propício aos negócios locais. O programa em menos de três anos de atuação se tornou uma referência, devido ao resultado e impacto positivo alcançado, com estratégias voltadas ao fortalecimento do turismo, gastronomia, bioma, cultura, música, artesanato, entre outras ações que englobam o projeto e promovem a valorização do povo pantaneiro”, ressaltou Cynthia Justino, gestora do Pró-Pantanal, do Sebrae/MT.

Sebrae/MT na COP

O Sebrae Mato Grosso tem marcado presença em várias edições da Conferência do Clima, incluindo a CO-P15, COP-25, COP-26 e COP-27. Essas participações não apenas reforçaram a presença do sistema Sebrae na Conferência do Clima, mas também trouxeram reflexões valiosas sobre o papel dos pequenos negócios na transição para uma nova economia, a economia sustentável.

]]>
555brl - Sustentabilidade – 555brl – 555brlhttps://www.kaoshiol.com/inovacao-e-tecnologia/qualquer-pessoa-ou-empresa-pode-ter-sua-floresta-na-amazonia-revela-ceo-da-meu-pe-de-arvore/Mon, 18 Dec 2023 09:52:12 +0000https://www.kaoshiol.com/?p=19271Até os 36 anos, o biólogo e empresário Diogo Hungria havia plantado, ao longo da vida, menos de 10 pés de árvore. Hoje, aos 38, esse número já ultrapassa 10 mil. O start para transformar seu sonho em um negócio foi a fala de um professor de que, enquanto uma floresta valesse mais deitada, ela seria derrubada. “Decidi mudar essa perspectiva e mostrar que, por meio do empreendedorismo, é possível restaurar a floresta amazônica. Qualquer empresa pode ter sua floresta na Amazônia”, afirma Diogo, fundador e CEO da Meu Pé de Árvore.

A startup viabiliza a recuperação de áreas degradadas por meio da restauração de ecossistemas na Amazônia em parceria com agricultores familiares. A jovem empresa, fundada em meio à pandemia, já plantou 10 mil árvores no coração amazônico, em Porto Velho (RO). Até o final de 2023, segundo Diogo, serão mais de 20 mil. “Estamos falando de uma diversidade de mais de 40 espécies, passando pelo Cacau e Castanheira, de Açaí ao Buriti”, conta. Para ele, enquanto biólogo, plantar árvores é uma satisfação e, como fundador da empresa, é uma realização ao ajudar o planeta.

Além de empresas locais, outras nove de porte nacional e dos mais variados segmentos, como aviação, educação e e-commerce, já firmaram seu compromisso com o meio ambiente por meio de projetos com a Meu Pé de Árvore. Um dos cases é a UpMat Educacional, que plantou uma árvore para cada escola inscrita em concurso de Matemática, totalizando 4.600 mudas. Já a KLM Royal Dutch Airlines desafiou os colaboradores a converterem quilômetros pedalados em plantio de mudas, o que rendeu 4 hectares de área em restauração nos Sítios Canaã e São José, em Rondônia.

Como plantar uma floresta

Por meio da Meu Pé de Árvore, qualquer pessoa ou negócio pode ter sua floresta na Amazônia, a partir do financiamento mínimo de 1.000 árvores, o que equivale a uma área de meio campo de futebol. As empresas podem aderir por meio de uma proposta exclusiva ou coletiva. A partir do contrato firmado,a empresa estabelece parcerias com produtores familiares e comunidades locais que possuem, em suas propriedades, áreas que precisam ser restauradas.

Diogo Hungria, fundador e CEO da Meu Pé de Árvore

Até agora, 60 famílias já foram impactadas direta e indiretamente e mais de 6 hectares recuperados. A startup é responsável por fornecer mudas, insumos e dar assistência técnica aos parceiros, além de fazer a manutenção e monitorar presencialmente a fauna e flora. “Um hectare desmatado pela atividade humana pode levar até 300 anos para ser reconstruído. No coletivo tornamos esse processo mais rápido, mas temos que plantar para colher os frutos no tempo da natureza em crescer de volta”, defende Diogo.

A floresta começa a crescer, em média, em cinco anos, explica o empreendedor e mestre em Zootecnia. De acordo com o calendário da Meu Pé de Árvore, o plantio das mudas e sementes acontece sempre no início das chuvas em Roraima, em meados de novembro, sendo as espécies plantadas nativas da região. Algumas mudas, como as de castanheiras, podem levar até dois anos de preparo, enquanto muitas sementes somente são encontradas em aldeias indígenas ou propriedades particulares.

Sementes lançadas na infância

Diogo conheceu a floresta aos sete anos, durante uma viagem de família, e se apaixonou. Desde então, o curitibano esteve imerso na natureza, fazendo trilhas, subindo montanhas, estudando fauna e flora até se graduar em Biologia pela Universidade Federal do Paraná. Com o diploma em mãos, deixou a capital paranaense com destino ao coração da floresta amazônica, Porto Velho (RO), a 3 mil quilômetros de distância.

A ideia de empreender surgiu em 2018, mas só saiu do papel três anos depois, quando Diogo relembrou a frase do professor da faculdade e pensou “por que não viabilizar uma forma de empresas, produtos e serviços plantarem árvores?”. Assim que a Meu Pé de Árvore foi fundada, Diogo começou a se inscrever em editais voltados para o bioma. O Sebrae chegou para fazer a diferença com o Inova Amazônia, programa focado em desenvolver pequenos negócios ou ideias inovadoras alinhadas à bioeconomia.

Nos seis primeiros meses, Diogo recebeu uma bolsa do Sebrae para que pudesse se dedicar ao desenvolvimento do negócio. “O Sebrae me deu a oportunidade de criar um network com o próprio ecossistema da Amazônia. Conexões com pessoas e organizações que compartilham nossa visão são fundamentais para o negócio dar certo”, afirma Diogo. A empresa segue recebendo suporte técnico do Sebrae para aprimorar seu modelo de negócio, obter acesso a crédito e investimentos.

Inovação e sustentabilidade

Para Diogo, inovar é a base de tudo, incluindo na forma de comunicarem que uma marca ou produto pode ser um motor de restauração da floresta. “Ensino o empreendedor como mostrar o diferencial de plantar árvores. Inclusive para clientes da nova geração, que chegam a boicotar empresas que não tem propósito sustentável”, reforça Diogo. Ainda segundo ele, os consumidores estão dispostos a pagar mais pelo produto quando aquela marca é engajada: “É uma forma de agregar valor ao negócio e isso é inovação”.

]]>
555brl - Sustentabilidade – 555brl – 555brlhttps://www.kaoshiol.com/cultura-empreendedora/1a-padaria-lixo-zero-do-brasil-oferece-menu-afetivo-e-doses-de-sustentabilidade/Fri, 08 Dec 2023 14:10:44 +0000https://www.kaoshiol.com/?p=19037O que vem à cabeça quando se pensa em um lugar aconchegante para tomar aquele café da manhã delicioso? “PA-DÓ-CA”. Cátia Lopes (44) e Camila Marconi (41) utilizaram o apelido carinhoso de padaria para alavancar um negócio de sucesso com foco na cozinha afetiva e na sustentabilidade. Em 2023, a PADÓCA DO CA, até então conhecida no Lago Norte, bairro brasiliense, ganhou repercussão nacional ao se tornar a 1ª padaria Lixo Zero do país. A conquista reflete a reinvenção de um modelo de negócio tradicional e o compromisso das sócias com o meio ambiente.

A história da PADÓCA DO CA começou no auge da pandemia, quando Cátia, à época gerente comercial de marca de moda, e Camila, da área de eventos corporativos, foram drasticamente impactadas em suas funções e decidiram inovar. A ideia de abrir uma padaria com toque especial foi encarada como oportunidade para a transição de carreira e levada muito a sério. “Por mais que a gente acredite no potencial do negócio, o pé precisa estar bem no chão, pois o desafio até conseguir o que foi planejado é significativo”, afirma a sócia.

Após sete meses de planejamento meticuloso e capacitações do Sebrae, a PADÓCA DO CA nasceu como uma padaria com propósito afetivo. Segundo Cátia, a proposta é oferecer comida de qualidade com medidas concretas para reduzir, reutilizar e reciclar seus resíduos. Esse compromisso ambiental levou o negócio a, dois anos depois de abrir as portas, virar referência nacional ao atingir a taxa de 96,2% de desvio de aterro e se tornar a 1ª padaria lixo zero do Brasil.

A partir do desafio global da produção de resíduos, as empreendedoras destacam a importância da conscientização.

Acreditamos que todos somos responsáveis por cuidar do meio ambiente e a PADÓCA busca ser um agente de transformação na construção de uma comunidade mais sustentável. Nossa missão é proporcionar aos clientes uma experiência afetiva num ambiente confortável e familiar, sempre levando em consideração a preservação do meio ambiente.
Cátia Lopes, sócia da PADÓCA

Na prática, a padaria não utiliza sacos de lixo para descarte de recicláveis e vidro,  os resíduos orgânicos são direcionados ao @projeto_compostar e o cardápio em QRCode nas mesas reduz o uso de papel. Além de escolher fornecedores que adotam boas práticas, a empresa incentiva o comércio local, adquirindo bebidas em garrafas retornáveis ou de fontes sustentáveis. “Temos o compromisso contínuo de buscar práticas inovadoras e sustentáveis, inspirando outras empresas e a comunidade a adotarem ações responsáveis em prol do meio ambiente”.

As sócias “ralaram” para adaptar o negócio às diretrizes Lixo Zero mantendo a qualidade dos produtos. Até descobrirem como manter a maciez do pão sem usar o plástico filme na produção da massa, por exemplo. “Essa etapa foi desafiadora, gerou desperdício e muita dor de cabeça”, relembram. Depois de inúmeros testes, foi hora de escalar a produção com o material alternativo para a massa descansar, em conformidade com a política de saúde e segurança. “Atualmente, um consultor gastronômico e uma nutricionista ajudam a encontrar soluções seguras para evitar o uso de plástico nos alimentos produzidos na padaria”.

Padaria e Pessoas

A formação e retenção da equipe é um ponto de atenção para as empreendedoras, que oferecem constante treinamento aos profissionais. “Já fizemos o Empretec e, por meio do programa ALI, do Sebrae, uma especialista em equipe autogerenciável nos auxilia com soluções como contratações, feedbacks e execução de tarefas”, comenta Cátia. As sócias visam vendas imediatas e mais lucrativas, melhorando a  rentabilidade.

“A PADÓCA passou por todas as fases de correções, incluindo ajustes na cozinha, operação, produção e sistemas que não estavam funcionando. E essas mudanças não foram fáceis”, revela Cátia. Hoje, a padaria mantém contratos consistentes com pequenas e grandes empresas, fornecendo pães, café da manhã e almoços diariamente. Os próximos planos de Cátia Lopes e Camila Marconi incluem obter financiamento para comprar a loja ao lado da PADÓCA, concretizando 100% do plano de negócios criado em 2020, e criar filiais inteligentes em dois anos.

Menu afetivo

O cardápio da PADÓCA DO CA resulta de uma abordagem afetiva e consciente. Os pães, por exemplo, passam por uma fermentação lenta, permitindo que a natureza trabalhe seu glúten e conferindo um sabor especial. Além do tradicional pão francês, a padaria oferece opções com abóbora, batata, cereais e croissants, além de ser famosa pelas Carolinas e pelo pão com requeijão crocante. O zelo pelo cliente também é prioridade: “Tratamos o cliente pelo nome, sabemos o que gosta de comer, onde mora e quais dias está conosco. Isto facilita o encantamento e a antecipação para o atendimento”, completa a sócia Camila Marconi.

]]>
555brl - Sustentabilidade – 555brl – 555brlhttps://www.kaoshiol.com/cultura-empreendedora/sebrae-mt-destaca-o-protagonismo-feminino-em-projeto-de-etnoturismo-na-cop-28/Mon, 04 Dec 2023 22:29:45 +0000https://www.kaoshiol.com/?p=18931A presença do Sebrae/MT na 28ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP-28) foi marcada por uma apresentação impactante do projeto “Etno e Ecoturismo Haliti-Parecis”, em um contexto que ressaltou a temática da igualdade de gênero. A conferência, considerada a maior sobre o clima no mundo, está sendo realizada em Dubai, nos Emirados Árabes, até o dia 12 de dezembro.

Projeto criado pelo Sebrae/MT em parceria com a Prefeitura, o “Etno e Eco Turismo Haliti-Parecis”, originado em Campo Novo do Parecis (interior mato-grossense), é um dos destaques da COP-28, oferecendo alternativas e oportunidades notáveis na área de turismo sustentável.

Durante o painel “Empoderando Povos Indígenas: uma jornada através da igualdade de gênero e turismo sustentável”, no Espaço Igualdade, o diretor-técnico do Sebrae/MT, André Schelini, não apenas apresentou as oportunidades de avanços no desenvolvimento sustentável por meio do turismo étnico-cultural, mas também ressaltou uma contribuição significativa das mulheres nesse processo.

“As mulheres desempenham um papel vital no projeto de Etnoturismo, representando um índice significativo nas atividades desse setor. Composta por 32% das frentes de trabalho no atendimento ao turista e responsável por 62% da produção associada, que inclui fabricação e artesanato, elas são o pilar essencial na preservação da cultura e na manutenção do núcleo familiar”, destacou o diretor.

O material foi apresentado junto do programa “Ser Família”, do Governo do Estado de Mato Grosso, representado pela primeira-dama Virginia Mendes. Além dos projetos focados na comunidade indígena, a presença de aproximadamente 10 representantes dos povos originários no evento foi destacada como um marco significativo na COP-28, ressaltou o presidente do Sebrae, Décio Lima, enfatizando a relevância da representatividade dessas comunidades no contexto da conferência.

Ter a representatividade na COP 28 dos povos originários é chamar atenção para o tema da sustentabilidade. Não se faz sustentabilidade sem incluí-los. E o Sebrae em Mato Grosso está atuando de forma exemplar com ações que já estão trazendo resultados a esses povos, com o retorno da produtividade e sua inclusão na cadeia do turismo.

Décio Lima, presidente do Sebrae.

Mais de 1.200 famílias da comunidade indígena Haliti-Paresi são beneficiadas com o projeto que abrange oito aldeiais: Wazare, Salto da Mulher, Salto Belo, Utiariti, Quatro Cachoeiras, Ponte da Pedra, Rio Sacre e Chapada Azul, todas em uma região cortada por inúmeros leitos d’água e cachoeiras de tirar o fôlego.

De acordo com Schelini, o projeto é um exemplo de sustentabilidade para todos que buscam integrar o desenvolvimento à cultura regional. “O Sebrae vem fazendo a diferença na sustentabilidade, pois seguimos as diretrizes para o turismo sustentável”, destacou.

O Centro Sebrae de Sustentabilidade criou o Manual de diretrizes de “Normatização e Certificação de Turismo Sustentável”, que pode ser referência para o país.

Troca e oportunidades

O Sebrae Mato Grosso tem imergido nas ações da COP-28 que traz em seu lema a “união, ação e entrega” e tem promovido troca e oportunidades entre os presentes. No estande da parceira Confederação Nacional da Indústria (CNI), o Sebrae/MT destacou, no primeiro dia, os projetos emblemáticos como o de Etno e ecoturismo, Pró-Pantanal e o Centro Sebrae de Sustentabilidade, os quais representam um compromisso estratégico na construção de um turismo consciente e na preservação de ecossistemas necessários.

Em uma rodada de bate-papo, no segundo dia, foi a vez de apresentar o projeto de consultoria ESG – Selo Tesouro Verde, que traz a possibilidade para o empresário adotar práticas de sustentabilidade e aderir aos quesitos ambiental, social e governança com a neutralização dos gases emitidos na atmosfera, por meio de um ativo ambiental de créditos de floresta, para a conservação de florestas nativas. Participaram da rodada a BMV (Brasil Mata Viva), Prefeitura de Maricá/RJ e Codemar.

No Hub Futuro da Mobilidade, o espaço do Sebrae promoveu um coquetel para reunir investidores, empresas e órgãos internacionais, proporcionando um momento denetworking e troca de ideias, com oportunidade inovadora para estabelecer conexões e apresentar as iniciativas do Sebrae.

Nesta terça-feira (5), o diretor técnico do Sebrae/MT participará de um painel juntamente com o Banco da Amazônia e Brasil Mata Viva sobre o uso do microcrédito como indutor da agenda de baixo carbono e a experiência do Sebrae/MT.

]]>
555brl - Sustentabilidade – 555brl – 555brlhttps://www.kaoshiol.com/inovacao-e-tecnologia/sebrae-e-petrobras-promovem-encontro-com-pequenos-empresarios-de-natal/Mon, 16 Oct 2023 14:22:02 +0000https://www.kaoshiol.com/?p=17613Os pequenos empresários interessados em fornecer produtos e serviços para Petrobras no Rio Grande do Norte podem se inscrever gratuitamente no “Encontro com Fornecedores – Construindo Negócios com a Petrobras”, que acontece nesta terça-feira (17), na sede do Sebrae RN, em Natal. O evento, realizado em parceria com o Sebrae, é uma oportunidade de aproximação com a empresa para conhecer melhor suas atividades e seus objetivos ligados à transição energética justa.

O Rio Grande do Norte é reconhecido como o estado da integração energética, pela significativa produção de petróleo e gás, como também pela geração de energias renováveis. No estado, está localizada a sede do Polo de Energias Renováveis do Sebrae, que funciona como um hub de fomento de novos negócios para as micro e pequenas empresas envolvidas na cadeia produtiva de energia limpa, com destaque para eólica e fotovoltaica.

A gestora do Polo no Sebrae RN, Lorena Roosevelt, destaca que o encontro será o momento ideal para os donos de pequenos negócios se aproximarem da Petrobras para entender as demandas e como se preparar para a inserção nas cadeias produtivas da estatal.

Os empreendedores precisam entender o timing dos projetos, como também entender os cenários. Estamos falando do surgimento de novas cadeias, como a eólica offshore, por exemplo, e novas demandas que envolvem muita tecnologia.
Lorena Roosevelt, gestora do Polo no Sebrae RN.

Segundo Lorena, será necessária a união da pesquisa e da inovação com as empresas tradicionais. As startups precisam se estruturar e criar conexões com as empresas tradicionais para que ambas as partes aproveitem ao máximo as oportunidades de negócio. A programação do evento também inclui apresentação sobre o programa “Conexões para Inovação”, voltado especificamente para intensificar a integração com ecossistema de inovação aberta do país.

A gerente de Suprimentos da Petrobras, Marina Quinderé, vê mais esse encontro como uma oportunidade importante de troca com a cadeia de pequenos fornecedores, fundamental para o negócio da empresa.

“Estamos sempre buscando o diálogo e manter um relacionamento colaborativo com a cadeia de fornecedores. Queremos avançar ainda mais nesta aproximação com o mercado fornecedor e suas vocações regionais, a fim apresentar as demandas atuais das operações da Petrobras e de identificar oportunidades de negócios que suportarão as atividades da Petrobras nos segmentos de exploração e produção de petróleo, refino, gás e energias renováveis”, afirma Marina Quinderé.

Serviço:
2º Encontro com fornecedores Petrobras
Quando: 17 de outubro
Onde: Auditório do Sebrae/RN em Natal
Mais informações: 0800 570 0800

As inscrições gratuitas seguem abertas até o dia 16 de outubro. As vagas são limitadas. Clique aqui para acessar a plataforma Sympla.

]]>
555brl - Sustentabilidade – 555brl – 555brlhttps://www.kaoshiol.com/cultura-empreendedora/encontro-impactos-positivos-2023-seja-parte-da-mudanca-de-que-o-mundo-precisa/Mon, 16 Oct 2023 11:00:06 +0000https://www.kaoshiol.com/?p=17586No cenário em constante transformação do século 21, em que as palavras-chave são sustentabilidade, inovação e impacto positivo, será realizada nesta terça-feira (17), na sede do Cubo Itaú, em São Paulo, a 2ª edição do Encontro Impactos Positivos, evento criado para provocar reflexões sobre como podemos moldar um futuro mais sustentável e inclusivo e ser parte da mudança em prol de um mundo melhor.

Este ano, o encontro conta com uma jornada de aprendizado, inspiração e colaboração: especialistas e líderes de diferentes setores do ecossistema de impacto estarão reunidos em diferentes painéis para abordar os principais temas ESG da atualidade com um olhar voltado para a inovação, a inclusão, a economia do futuro e a sustentabilidade.

No painel Impacto Ambiental, o repórter e apresentador da TV Cultura Rodrigo Piscitelli liderará uma discussão sobre ações nos âmbitos da micro e da macroeconomia com a participação de Lucas Ramalho Maciel, diretor do Departamento de Novas Economias da Secretaria de Economia Verde, Descarbonização e Bioindústria no Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, e Marcio Astrini, secretário-executivo do Observatório do Clima.

No painel Impacto Social, a jornalista Maria Clara Lopes moderará uma conversa sobre inclusão, um pilar essencial do desenvolvimento sustentável, com Tiago Reis, da Rybená, tecnologia assistiva de tradução de textos em português para Libras e voz, e Simone Catalan, gestora da Plataforma do Cuidado, empresa em rede cujo propósito são negócios de impacto social.

No painel de Impacto Governança, Roberta Coutinho, conselheira do Prêmio Impactos Positivos, comandará uma análise das finanças sustentáveis com a participação de Bianca Proença, do BNDES Garagem, e de Livia Brando, da Vox Capital. Essa discussão será crucial para entendermos como a governança pode ser um motor para a sustentabilidade financeira.

Já o painel de Inovação Sustentável explorará como a Inteligência Artificial (IA) e a governança podem colaborar para solucionar desafios críticos relacionados a ESG, Segurança, Compliance e Risco. Alexandre Uehara, também conselheiro do prêmio, conduzirá a conversa com Andrea Paiva, da FIAP, e Barbara Olivier, da Tensegrity, trazendo casos de uso prático da IA e discutindo a ética por trás dessa tecnologia.

Além disso, será apresentado ocase da Central da Visão, um dos vencedores do Prêmio Impacto Positivo 2022, para mostrar como o impacto positivo pode se tornar o alicerce de um negócio de sucesso. Outro destaque da programação será o painel Inspiração – Transtorno de Déficit de Natureza, conduzido por Daniel Cady, nutricionista e impulsionador da agroecologia, que abordará a importância de nos reconectarmos com a natureza e como pequenas ações podem gerar grandes impactos.

Trata-se de uma oportunidade única para mergulhar em discussões profundas e transformadoras sobre como influenciar positivamente a sociedade com base na soma de ideias e esforços. “Acreditamos no poder da colaboração, na inovação com propósito e no compromisso com um futuro mais sustentável. Este evento é um chamado para ação, um catalisador para as mudanças de que nosso planeta precisa, ao unir mentes brilhantes e espíritos
comprometidos com um mundo melhor para todos. Queremos que cada vez mais empreendedores juntem-se a nós nesta jornada e sejam parte da transformação”, explica Gisele Abrahão, idealizadora do Impactos Positivos.

Ao final do evento, serão revelados os vencedores da 4ª edição do Prêmio Impactos Positivos nas categorias Negócios de Impacto e Ecossistema de Impacto, reconhecendo as organizações e os empreendedores que mais se destacaram na resolução de problemas sociais e ambientais do Brasil e na promoção do bem-estar de suas comunidades.

PROGRAMAÇÃO COMPLETA DO ENCONTRO IMPACTOS POSITIVOS 2023
13h30 – Credenciamento
14h00 – Boas-vindas Impactos Positivos
14h16 – Case Premiado 2022 – Central da Visão
14h26 – Painel 1: Impacto Ambiental – Da micro à macroeconomia
14h56 – Painel Inspiração: Transtorno de Déficit de Natureza
15h11 – Painel 2: Impacto Social – Inclusão
15h41 – Intervalo
16h06 – Painel 3: Impacto Governança – Finanças Sustentáveis
16h41 – Painel 4: Inovação Sustentável – Redefinindo o Futuro com IA e Governança
17h16 – Vencedores do Prêmio Impactos Positivos 2023
17h56 – Encerramento

Sobre o Prêmio Impactos Positivos

Criado em 2020, o Prêmio Impactos Positivos reconhece empresas e organizações que desenvolvem projetos, iniciativas e negócios inovadores que impactam positivamente a sociedade, contribuindo para cumprir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), da ONU. Desde sua primeira edição, o prêmio já teve a participação de mais de 400 projetos. Atualmente, conta com 22 patrocinadores, parceiros e apoiadores, que vão oferecer aos vencedores, além do troféu na cerimônia de premiação, R$ 300 mil em forma de conhecimento, para ajudá-los a ampliar seu impacto na sociedade. A lista completa dos prêmios que serão concedidos aos vencedores está disponível aqui e o regulamento, aqui.

Serviço:

ENCONTRO IMPACTOS POSITIVOS 2023 – PREMIAÇÃO
Data: 17 de outubro de 2023.
Horário: 14h às 18h
Início do credenciamento presencial: 13h30 Local: Cubo Itaú – Alameda Vicente Pinzon, 54, Vila Olímpia, São Paulo (SP).

O evento também será transmitido on-line simultaneamente a partir das 14 h pelo link www.impactospositivos.com/eventos.

Relações Públicas:
Mariana Sampaio
GVA – Global Vision Access
mariana@globalvisionaccess.com
11 981509344

]]>
555brl - Sustentabilidade – 555brl – 555brlhttps://www.kaoshiol.com/inovacao-e-tecnologia/sustentabilidade-na-moda-startup-inova-na-producao-de-tecidos-a-partir-de-algas/Thu, 21 Sep 2023 12:30:05 +0000https://www.kaoshiol.com/?p=16861Com o objetivo de trazer mais sustentabilidade para o setor da moda, a startup Phycolabs está empenhada na produção de uma fibra têxtil a partir de algas. A sustentabilidade nesta iniciativa se dá porque, diferentes de componentes sintéticos, como poliéster e nylon, as algas possuem características ecológicas – já que são biodegradáveis – e estão disponíveis na costa brasileira. O tecido será apresentado aos participantes do Congresso Internacional de Inovação da Indústria, em São Paulo, no fim de setembro, que vai tratar sobre a ecoinovação.

De acordo com a fundadora da empresa, Thamires Pontes, que é mestre em Têxtil e Moda, a fibra desenvolvida à base de algas permite a combinação com outros produtos, como algodão, linho, rayon e cânhamo. O tipo de alga pesquisada (Rhodophyta) é fartamente encontrado no Nordeste brasileiro e o desenvolvimento do produto aponta para bons resultados em relação à resistência e tingimento.

Thamires defende o debate sobre a sustentabilidade pelas indústrias. “É muito importante entender o impacto ambiental dos produtos e como as escolhas dos consumidores podem impulsionar a inovação sustentável. Com a ecoinovação podemos reestruturar processos de produção, criar cadeias de suprimentos sustentáveis, melhorar a eficiência energética, promover a reciclagem e reutilização, entre outras práticas”, comenta.

Atualmente, o produto está na fase de finalização do protótipo. “Enfrentamos alguns desafios tecnológicos de escala, mas estamos muito ansiosos para nos inserir no mercado”, explica Thamires. “Temos o compromisso de aliar tecnologia, inovação, respeito ao meio ambiente ao seu próximo look”, completa a empresária. A tecnologia desenvolvida pela startup obteve reconhecimento internacional, na Suécia, em função do potencial de impactar o mercado da moda e da indústria têxtil.

Catalisa ICT

A Phycolabs passou pela jornada Catalisa ICT do Sebrae – iniciativa que promove a aproximação entre a Academia e o mercado por meio de capacitação em gestão, mentorias, fomento a projetos e acesso ao universo empresarial para os pesquisadores. Desde 2021, o Sebrae já investiu R$ 35 milhões em bolsas, auxílios, eventos, P&DI na Embrapii e internacionalização. Com isso, já apoiou mais de 3 mil pesquisadores brasileiros e trouxe para o mercado 170 empresas de alta tecnologia.

“De lá para cá muitas portas foram abertas tanto no quesito de conhecimento intelectual, networking e de oportunidades. Foi lá que tivemos nossa primeira noção de empreendedorismo e que fundamos a Phycolabs. o Sebrae nos ofereceu capacitações que ajudaram a adquirir competências necessárias para administrar nosso negócio”, contou Thamires Pontes.

O gerente de Inovação do Sebrae Nacional, Paulo Renato, lembra que o Catalisa ICT é apenas um dos vários programas da instituição voltados à difusão e ao desenvolvimento da inovação no universo das micro e pequenas empresas.

O Sebrae atua em várias frentes, desde o incremento ao surgimento de novas startups no país, até a inserção das tecnologias inovadoras em setores tradicionais, onde a inovação não é uma prática comum.
Paulo Renato, gerente de Inovação do Sebrae Nacional.

Durante o Congresso de Inovação da Indústria, o público presente no evento terá a oportunidade de conhecer seis dessas empresas apoiadas pelo Sebrae e que estão ajudando a transformar a realidade em diferentes setores da economia.

Congresso de Inovação

O Congresso Internacional de Inovação da Indústria é o mais importante evento do setor na América Latina. O encontro será realizado nos dias 27 e 28 de setembro, no São Paulo Expo, em São Paulo. O evento é promovido pelo Sebrae e pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e é idealizado pela Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI).

Saiba mais aqui.

]]>
555brl - Sustentabilidade – 555brl – 555brlhttps://www.kaoshiol.com/cultura-empreendedora/agencia-sebrae-cop-30-sera-inaugurada-nesta-terca-feira-29/Tue, 29 Aug 2023 18:43:42 +0000https://www.kaoshiol.com/?p=16313OSebrae no Pará vai inaugurar, nesta terça-feira (29), às 19h, a Agência Sebrae COP 30. O espaço, que irá funcionar na sede da instituição, em Belém, foi pensado para concentrar os trabalhos de apoio aos pequenos negócios para a conferência, que será em novembro de 2025, na capital paraense. O governador Helder Barbalho e a vice-governadora Hana Ghassan participam do evento.

A Agência Sebrae COP 30 funcionará das 8h às 17h. No local, haverá atendimentos presenciais e toda a atuação será gerenciada do Sebrae para a Conferência. As ações serão coordenadas por especialistas do Sebrae/PA e de mercado, com base em inteligência de dados, que estão sendo levantados pela instituição e pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

“Desde que o governador Helder Barbalho anunciou a COP 30 em Belém, nós, do Sebrae, assumimos o compromisso de contribuir na preparação dos pequenos negócios para esse importante evento, e essa agência vai facilitar o atendimento aos empreendedores e às demandas geradas pelo grupo de trabalho interno e da rede de parceiros que será formada”, destaca o diretor-superintendente do Sebrae/PA, Rubens Magno.

No evento, também será apresentada a estratégia de atuação adotada pelo Sebrae/PA em apoio aos empreendedores e formalizadas parcerias da instituição com a Universidade do Estado do Pará (UEPA), Secretaria de Estado de Cultura (Secult), Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas), Prefeituras Municipais de Soure e Cachoeira do Arari, na Ilha do Marajó, Senar, Faepa, Senai e Fiepa, para a atuação em rede.

Projeto Inovador 

O projeto de ilustração da Agência Sebrae COP 30 foi assinado por oito artistas paraenses, de cinco municípios (Belém, Marabá, São Caetano de Odivelas, Viseu, Parauapebas). É uma equipe plural: Sebá Tapajós (direção artística e produção), Mama Qilla, Brenda Ilustra, Regilane Guajajara, Jonatas Amorin, And Santtos, Zachart e Débora Magalhães, representativa de grupos sociais – LGBTQIA+, mães solo e de pessoa com deficiência, indígenas e pretos e pretas.

“É um projeto inovador, pensando para envolver quem passar pelo local na atmosfera da nossa atuação na COP, que está pautada em três pilares, que são pluralidade, sustentabilidade e inovação, além de quatro grandes áreas – mobilidade, meios de hospedagem, economia criativa e alimentos e bebidas”, destaca Rubens Magno.

Na ilustração das paredes, há elementos da fauna e da flora da região, como raízes, que foram pensadas numa analogia ao nascimento do relacionamento do Sebrae com a COP 30; grafismo do casco de Jabuti, que é muito utilizado por povos indígenas, arte que simboliza força e resistência; e imagens que retratam o cotidiano de ribeirinhos.

O trabalho também presta homenagem a Belém, em tipografias regionais que falam de cultura, gastronomia e costumes – banho de rio, tucupi, maniçobas, açaí, tacacá, calor, chuva da tarde.

A Criação de Adão, um afresco pintado por Michelangelo no teto da Capela Sistina, no Vaticano, inspirou uma das ilustrações. O artista fez uma releitura da obra, inserindo elementos e cores da Amazônia, como o verde e o açaí.

Telas instaladas no espaço retratam os eixos e áreas de atuação do Sebrae na COP30 e paisagens amazônicas.

Sebrae e a COP 30

A COP 30 deve atrair mais de 80 mil pessoas, cenário propício para a captação de investidores, para o desenvolvimento dos empreendimentos existentes, para a geração de negócios e, consequentemente, para a criação de empregos.

É de olho nesse ambiente favorável para empreender que o Sebrae/PA vai atuar, a fim de gerar oportunidades para os pequenos negócios paraenses – microempreendedores individuais, micro e pequenas empresas, pequenos produtores rurais – que são a grande mola da economia paraense.

“Nossa intenção é aproveitar esse cenário positivo com a COP 30 para fortalecer os pequenos negócios, dando condições para que eles assumam, definitivamente, o papel de protagonistas do desenvolvimento sustentável da Amazônia, além de fomentar o empreendedorismo”, ressalta Rubens Magno.

O apoio aos pequenos negócios inclui capacitações e consultorias especializadas, entre outros produtos e serviços, sendo que alguns deles já fazem parte do portfólio da entidade e outros serão desenvolvidos, de acordo com as necessidades apresentadas nesse horizonte de dois anos, além de ações de internacionalização. “Haverá um projeto específico para apoiar o empreendedor a acessar o mercado internacional”, informa Rubens.

O trabalho será realizado diretamente pelo Sebrae/PA ou por meio da uma rede de parceiros que a entidade articulará. Os participantes receberão ‘Certificado Sebrae COP 30.

O empreendedor poderá acessar produtos e serviços presencialmente ou de forma remota, pelos canais digitais do Sebrae/PA, entre eles um site que foi criado especificamente para a COP, onde também serão reunidos conteúdos e notícias sobre e relacionados à conferência; e pela Central de Relacionamento (0800 570 0800).

Sobre a COP

A Conferência das Partes (COP) é o maior e mais importante evento sobre clima e meio ambiente do mundo. A conferência é promovida pela Organização das Nações Unidas (ONU) desde 1995 e reúne líderes de diversos países.

A COP tem o objetivo de debater as mudanças climáticas, encontrar soluções para os problemas ambientais que afetam o planeta e negociar acordos entre os países participantes.

]]>
555brl - Sustentabilidade – 555brl – 555brlhttps://www.kaoshiol.com/cultura-empreendedora/de-ecobags-ao-uso-da-borra-de-cafe-graduandos-vencem-concurso-com-projetos-inovadores/Mon, 28 Aug 2023 12:19:10 +0000https://www.kaoshiol.com/?p=16266Seis equipes de jovens estudantes de cinco regiões do país foram vencedores do Desafio Universitário. A competição, promovida pelo Sebrae em parceria com a Brasil Júnior, incentiva alunos do Ensino Superior a exercitar competências empreendedoras e desenvolver projetos inovadores. Este ano, o mote da disputa foram as práticas ESG, que trabalham a sustentabilidade ambiental, social e de governança corporativa. Os ganhadores foram anunciados em cerimônia on-line, divididos nas categorias MEJ (que pertencem ao Movimento Empresa Júnior) e acadêmicos do ensino superior.

Um dos times que levou o troféu para casa na categoria MEJ foi a “BioCap: sustentabilidade que energiza”, cujos integrantes são do curso de Engenharia de Bioprocessos e Biotecnologia da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), campus de Ponta Grossa. O projeto do grupo consiste em utilizar a borra de café para desenvolver um produto biodegradável do ramo alimentício. O montante recebido como prêmio – que distribuiu bolsas de incentivo de R$ 10 mil para cada equipe campeã – será utilizado para desenvolver o projeto apresentado no desafio.

Equipe da BioCap, de Ponta Grossa, que utilizou a borra de café para desenvolver um produto biodegradável do ramo alimentício. Foto: arquivo pessoal.

“Fazemos parte do Movimento Empresa Júnior, somos motivados pelo inconformismo e empreendedorismo. Com isso, abraçamos o desafio desde o início. Buscamos aplicar o que aprendemos com o nosso curso, encontrando soluções adequadas para problemas. Nossa motivação para participar foi enorme e mantivemos sempre a confiança”, relata a líder da equipe, Maria Eduarda Cardoso, de 23 anos. Entre os planos do grupo, está criar umastartup vinculada à incubadora da universidade.

A sustentabilidade também foi a abordagem escolhida pela RevFood, projeto que busca a maior conservação dos alimentos a partir de ingredientes da Amazônia. O líder da equipe da Universidade Federal do Pará, Jonas Cunha da Silva, de 26 anos, esclarece que a ideia é foi aproveitar o potencial bioativo de recursos da região amazônica para criar um líquido comestível e seguro – a partir de extratos de plantas, óleos essenciais e casca de frutas – que, ao ser aplicado sobre a superfície de frutas, cria uma barreira protetora.

A inovação é capaz de prolongar o tempo de prateleira de alimentos, protegendo contra contaminação, oxidação, aumentando rigidez e contendo a água dentro do fruto.

“O Desafio Universitário foi uma forma de validar e aprimorar nosso projeto, na construção de médio e longo prazo, por meio de mentorias e palestras. Também enxergamos a oportunidade de conseguir apoio financeiro para transformarmos esse protótipo em um produto real”, conta Jonas.

O time da RevFood, do Pará, também apostou na sustentabilidade como viés para desenvolver um produto que busca a maior conservação dos alimentos a partir de ingredientes da Amazônia. Foto: arquivo pessoal.

Durante a jornada totalmente on-line do Desafio Universitário, os competidores participaram de mentorias, meet ups, oficinas e apresentação de projetos das ideias desenvolvidas. “Aprendemos muito sobre como sintetizar o projeto por meio de ferramentas visuais e práticas como o canvas”, segue Jonas, “mas também vimos a importância de ter uma equipe diversificada. Até então, nosso projeto tinha apenas pessoas da área da bioengenharia. Depois que convidamos amigos de outras áreas para contribuir e dar uma cara de negócio ao projeto, melhoramos a comunicação e forma de apresentar a ideia”.

Continuidade e desenvolvimento

A edição deste ano contou com mais de 300 projetos inscritos. Durante a cerimônia de premiação, a gerente de Educação Empreendedora do Sebrae, Edleide Alves, incentivou que todos os participantes, mesmo aqueles que não foram finalistas, prossigam com os projetos iniciados durante a disputa. “O desenvolvimento de competências acontece ao longo da vida e temos que dar continuidade ao que foi iniciado. Empreender é resiliência. É importante continuar desenvolvendo as competências empreendedoras”, argumentou.

Já o presidente da Brasil Júnior, Pedro Casé, parabenizou os concorrentes e destacou o trabalho desenvolvido pela instituição após os oito meses competição.

Gostaria de destacar a importância desse desafio para todos os jovens universitários e para a Brasil Júnior. É um enorme prazer ter feito esse primeiro projeto com o Sebrae e trazer essa conexão da marca Sebrae com a juventude empreendedora, que é de fato a grande missão da nossa organização.

O Desafio Universitário é uma das ações inseridas no Programa Nacional de Educação Empreendedora do Sebrae, que completa 10 anos em 2023. Neste período, já foram capacitados mais de 758 mil professores e 12,4 milhões de atendimentos a estudantes foram realizados em todo o país por meio de diversas iniciativas. O objetivo é desenvolver o potencial das pessoas para se tornarem protagonistas da transformação das realidades colocando em prática suas competências empreendedoras e socioemocionais.

Confira a lista com as 6 equipes vencedoras do Desafio Universitário:

Categoria MEJ:

  • BioCap: sustentabilidade que energiza / Universidade Federal Tecnológica do Paraná (PR).
  • Governança para povos indígenas do Cariri Estado / Universidade Federal do Cariri (CE).
  • Inclusão e sustentabilidade: nanocelulose para gerar acessibilidade / Universidade Federal do Espírito Santo (ES).

Categoria Acadêmicos:

  • RevFood: maior conservação dos alimentos a partir de ingredientes da Amazônia / Universidade Federal do Pará (PA).
  • Banco de talentos: conectando pessoas universitárias socioeconomicamente vulneráveis a empresas de impacto / Universidade de São Paulo (SP).
  • ONG “Faça uma criança sonhar”: independência financeira de mulheres grávidas a partir da produção de EcoBags de sacolas de plástico / Universidade Federal de Pelotas (RS).
]]>
555brl Mapa do site